Ir direto ao conteúdo

Página Legal

O cotidiano jurídico com muito bom humor

Por Paulo Gustavo Sampaio Andrade, advogado.

Papo de malandro

09/02/2008 às 17h07min Paulo Gustavocriminosos

Na década de 50, o malandro carioca “Zé da Ilha” prestou o seguinte depoimento à polícia:

“Seu doutor, o patuá é o seguinte:

Depois de um gelo da coitadinha resolvi esquinar e caçar uma outra cabrocha que preparasse a marmita e amarrotasse o meu linho no sabão.

Quando bordejava pelas vias, abasteci a caveira e troquei por centavos um embrulhador.

Quando então vi as novas do embrulhador, plantado com um poste bem na quebrada da rua, veio uma pára-quedas se abrindo, eu dei a dica, ela bolou, eu fiz a pista, colei; solei, ela aí bronqueou, eu chutei, bronqueou mas foi na despista, porque, muito vivaldina, tinha se adernado e visto que o cargueiro estava lhe comboiando.

Morando na jogada, o Zezinho aqui ficou ao largo e viu quando o cargueiro jogou a amarração dando a maior sugesta na recortada. Manobrei e procurei engrupir o pagante, mas, sem esperar, recebi um cataplum no pé do ouvido.

Aí dei-lhe um bico com o pisante na altura da dobradiça, uma muqueada nos mordedores e taquei-lhe os dois pés na caixa de mudança pondo-o por terra.

Ele se coçou, sacou a máquina e queimou duas espoletas.

Papai, muito esperto, virou pulga e fez a dunquerque, pois o vermelho não combina com a cor do meu linho.

Durante o boogi, uns e outros me disseram que o sueco era tira e que iria me fechar o paletó.

Não tenho vocação pra presunto e corri.

Peguei uma borracha grande e saltei no fim do carretel, bem no vazio da Lapa, precisamente às 15 para a cor-da-rosa.

Como desde a matina não tinha engolido a gordura, o roque do meu pandeiro estava sugerindo sarro.

Entrei no china-pau e pedi um boi a mossoró com confete de casamento e uma barriguda bem morta.

Engoli a gororoba e como o meu era nenhum, pedi ao caixa pra botar na pendura que depois eu iria esquentar aquela fria.

Ia pirar quando o sueco apareceu. Dizendo que eu era produto do Mangue, foi direto ao médico-legal para me esculachar.

Eu sou preto mas não sou Gato Félix, me queimei e puxei a solingea.

Fiz uma avenida na epiderme do moço. Ele virou logo América.

Aproveitei a confusa para me pirar, mas um dedo-duro me apontou aos xifópagos e por isto estou aqui.”

Não entendeu nada? A tradução é a seguinte…

Tradução “malandrês-português”

patuá forma giriática para substituir “o negócio”, “a questão”, “o problema”.
gelo desprezo
esquinar ficar parado em esquinas, à espera de algo
cabrocha mulher
que preparasse a marmita e amarrotasse o meu linho no sabão que cozinhasse para mim e lavasse a minha roupa
bordejava pelas vias perambulava pelas ruas
abasteci a caveira tomei uma bebida – uma cachaça
troquei por centavos um embrulhador comprei um jornal
na quebrada da rua na esquina
veio uma pára-quedas se abrindo veio uma mulher demonstrando interesse pelo malandro
eu dei a dica o malandro dirigiu um gracejo à mulher
ela bolou a mulher foi receptiva à lisonja do malandro
eu fiz a pista acompanhei-a
colei aproximei-me, caminhando ao lado da mulher
solei conversei com a mulher
bronqueou demonstrou com palavras iradas, o seu desagrado
vivaldina viva, esperta, inteligente
o cargueiro estava lhe comboiando o namorado a estava acompanhando
morando na jogada compreendendo a situação
o Zezinho aqui forma do malandro referir-se a si mesmo
o cargueiro jogou a amarração o namorado se aproximou dela
um cataplum no pé do ouvido um soco ou bofetada na orelha
dei-lhe um bico com o pisante na altura da dobradiça dei-lhe um pontapé no joelho
uma muqueada nos mordedores forma de muque – um soco nos dentes
taquei-lhe os dois pés na caixa de mudança saltei-lhe com os dois pés sobre o peito
ele se coçou, sacou a máquina e queimou duas espoletas sacou o revólver e fez dois disparos
papai (outra forma do malandro referir-se a si mesmo)
virou pulga deu um salto
fez a dunquerque evadiu-se, fugiu
(alusão à famosa retirada de dunquerque, na Segunda Guerra Mundial)
vermelho não combina com a cor do meu linho referia-se ao vermelho do sangue
tira policial, detetive, investigador.
fechar o paletó matar
não tenho vocação pra presunto referia-se ao seu apego à vida
borracha grande ônibus
no fim do carretel no fim da linha, no ponto final
bem no vazio da lapa no Largo da Lapa
às 15 para a cor de rosa às 17 horas e 45 minutos
matina manhã
(observe-se a influência do elemento imigrante através desse vocábulo italiano)
o roque do meu pandeiro o ruído do meu estômago
china-pau “china”
(pequenos restaurantes chineses que serviam pratos a preços populares, na época, muito comuns no Rio de Janeiro)
boi a mossoró com confete de casamento bife a cavalo com arroz
e uma barriguda bem morta cerveja bem gelada
como o meu era nenhum como não tinha dinheiro…
pedi ao caixa pra botar na pendura que depois eu iria esquentar aquela fria pedi ao caixa um crédito, dizendo-lhe que pagaria a despesa mais tarde.
dizendo que eu era produto do mangue o Mangue é um dos prostíbulos do Rio de Janeiro
(curioso notar o eufemismo desta construção)
me queimei e puxei a solingea irritei-me e saquei a navalha
(a marca do instrumento Solingen passou a sinônimo de navalha)
fiz uma avenida na epiderme do moço fiz um talho na pele…
ele virou logo américa ficou vermelho como sangue
(América Futebol Clube, cujo uniforme se compõe de camisas vermelhas)
dedo-duro delator
xifópagos policiais do Rio de Janeiro que sempre andam em duplas
(também chamados Cosme e Damião)

Atualização (em 02/03/2008): o texto foi originalmente publicado no “Curso prático da língua portuguesa e sua literatura”, de autoria do ex-presidente Jânio Quadros (São Paulo, editora Formar, 1966, 6 volumes). Obrigado ao Loro Martins Rodrigues.

Este artigo já recebeu 7 Comentários

  1. O texto em questão foi publicado no fraquíssimo “Curso de Língua Portuguesa” de Jânio Quadros. Poderiam ter atualizado a ortografia (tirando os acentos de diferenciação).
    A TEMPO: A palavra PRA (redução da preposição PARA) não tem – nem nunca teve – acento.

  2. Loro, muito obrigado por nos indicar a fonte do texto. Já fizemos o acréscimo da informação. Quanto à grafia das palavras, optamos por manter o texto original, porque o transcrevemos “ipsis litteris”, entre aspas. Fica o registro. já fiz a devida atualização para a norma gramatical vigente.

  3. muito bom esse site… tava a navegar por ele e achei esse texto bem interessante. eu particularmente acho as gírias uma grande bosta… pq com elas a nossa lingua portuguêsa acaba perdendo a real origem.

  4. eu chutei
    não sou Gato Félix

    não encontrei a tradução para estas frases

    Antunes Roberto

  5. Antunes Roberto,
    É, realmente, ficaram faltando.
    Alguém pode ajudar?

  6. Achei um site com a historia do gato Felix, me chamou a atenção esta parte que segue:
    “O Gato Felix foi um dos primeiros desenhos animados a serem produzidos no mundo e surgiu na época do cinema mudo. Ele era um personagem de pele negra, com grandes olhos bem abertos, mantinha sempre um grande e belo sorriso, era gentil, muito alegre e sempre vivia se metendo em aventuras, que acabavam virando um grande problema e por diversas vezes para sair dessas enrascadas usava o seu próprio rabo como um objeto ou utensílio, chegando em algumas ocasiões a até arrancá-los e separá-los de seu corpo.”
    Acho que o malandro quis dizer que não tendo a mesma artimanha do gato teve de puxar de uma faca mesmo.
    O site é este http://www.tvsinopse.kinghost.net/g/gato%20felix1.htm
    Espero ter ajudado,
    Até mais

  7. Vinicius, sua tese faz sentido! Pode ser isso mesmo. O gato Félix seria o avô do McGyver! :)

Escreva seu comentário

(não será publicado)

(opcional)