Ir direto ao conteúdo

Página Legal

O cotidiano jurídico com muito bom humor

Por Paulo Gustavo Sampaio Andrade, advogado.

Voto de cabresto

11/02/2008 às 20h11min Paulo Gustavopolíticos

Em audiência pública realizada no Senado em 01/06/2000, o então senador Roberto Requião (PMDB-PR), queixando-se da insistência do Tribunal Superior Eleitoral em manter secretos e inauditáveis os programas utilizados nas urnas eletrônicas, ilustrou sua argumentação com o seguinte causo:

Há muito tempo, conta-se que um coronel do interior do Ceará entregou a um eleitor uma cédula eleitoral já preenchido com o voto e devidamente dobrada, a fim de que o depositasse na urna.

O eleitor levantou o olho e perguntou:

– Mas, coronel, não posso nem ver o meu voto?

O Coronel, matreiramente, respondeu:

– Meu filho, você nunca leu a Constituição? O voto é secreto!

Escreva seu comentário

(não será publicado)

(opcional)