Ir direto ao conteúdo

Página Legal

O cotidiano jurídico com muito bom humor

Por Paulo Gustavo Sampaio Andrade, advogado.

O senador que processou Deus

01/10/2008 às 23h58min Paulo Gustavopartes

Um político dos Estados Unidos ajuizou uma ação contra Deus, para que Este fosse proibido de fazer contínuas ameaças e atos de terrorismo.

O Todo-Poderoso foi acusado de ser o causador de enchentes, terremotos, furacões, tornados, pragas, fome, secas, guerras e doenças congênitas. Tais desgraças teriam provocado muitos prejuízos, além da morte impiedosa de milhões e milhões de habitantes da Terra, incluindo crianças, bebês, lactentes, idosos e enfermos, mas o Réu não manifestara remorso ou compaixão.

O Senhor ainda teria determinado aos seus seguidores que disseminassem pregações e documentos ameaçando novas calamidades de modo a inspirar medo, ansiedade e incerteza na população, para coagi-la a cumprir os seus desejos. O autor da ação registra ainda que, considerando a conduta do Réu no passado, as ameaças terroristas gozariam de credibilidade.

Este é o autor da ação, não o Réu.
Este é o autor da ação, não o Réu.
A ação foi ajuizada pelo senador Ernie Chambers na Justiça do Estado do Nebraska, que seria competente em razão de o Réu ser onipresente. O autor sustentou ainda a desnecessidade de citação pessoal, porque o Requerido também é onisciente.

Na verdade, a ação, ajuizada em setembro de 2007 e ainda em andamento, foi um protesto do senador contra a litigância excessiva. Logo apareceram duas defesas nos autos: uma feita por um grupo de religiosos, outra redigida em nome de Deus e protocolada por uma pessoa não identificada.

Se fosse no Brasil, provavelmente a ação seria extinta, devido à coincidência dos três pólos processuais: senadores e juízes, em grande parte, também pensam que são Deus…

Original disponível para download

(Com informações de The Register, Wowt, Wikinews, KeTV, Huffington Post, The Christian Post e BoingBoing)

Este artigo já recebeu 11 Comentários

  1. Na realidade, haveria ainda problemas nas possíveis intervenções do Ministério Público. De verdade mesmo os juízes não pensam que são Deus. Eles Tem certeza. Quem “pensa” ser Deus são os promotores.

  2. Se há algum culpado pelos terremos, catrástofes, corrupção e seja qual for a calamidade, é o próprio autor da ação, na qualidade de ser humano, pensante, racional, inteligente, mas que não consegue cuidar nem de si próprio, quanto mais do que lhe foi entregue, pelo próprio Deus, aliás, o único capaz de fazer o mundo e tudo que nele há. Já o autor, jamais conseguiria construir o que de mais belo em termos materiais, temos no mundo, a natureza, que com certeza, reage ao ataque do ser humano que se diz tão sábio, tão justo, tão e tão…que não consegue se relacionar nem com os outros, nem consigo mesmo, porque não aprendeu a relacionar-se com quem o fez, o criou, e sabe de suas limitações (prova disso é como o ser humano destrói a natureza e outro ser humano, porque quem inventou a arma para matar, o gás que polui…e tudo quanto mais destrutivo nesse mundo, com certeza não foi Deus mas o próprio homem…).
    Quem é digno de condenção, com certeza, seria o autor, na qualidade de ser humano…porém, apesar das injustas alegações, a verdadeira Palavra de Deus (não nterpretações humanas, leia-se, religiões) diz que Ele amou o mundo de tal maneira que entregou seu único Filho para todo aquele que nele crêsse, não morresse, mas tivesse a vida eterna..(João 3:16), e diz ainda que “A luz verdadeira que ilumina a todos os homens estava vindo ao mundo. Estava no mundo, o mundo foi feito por meio dele mas o mundo não o conheceu. Veio para os que eram seu, mas os seus não o receberam…Mas a todos os que o receberam, àqueles que crêem me no seu nome, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus – filhos nascidos não do sangue, nem da vontade da carne, mas de Deus…”(joão 1:9-13). E não há condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus!!Se o autor tivesse a humildade de buscar em Deus a pergunta para suas respostas, com certeza Deus, com amor, como um pai que compadece do filho, ensinando-o, exortando, reempreendendo, para com muito amor o conduzir até Ele, porque nosso Deus é amor, por isso se fez homem e desceu para habitar conosco aqui na terra…eu poderia dizer muitas outras coisas,mas como que na defesa de Deus, mas Ele não precisa da nossa defesa, Ele não precisa de nós, mas nós sim, precisamos Dele. Basta a qualquer, de qualquer credo, qualquer religião , ateu e outros, buscar esse Deus, chamar por Ele, dizer que em nome do Seu Filho Jesus, quer conhecê-Lo, porque só Jesus é o caminho a verdade e a vida, e não há outro caminho senão Jesus, duvida?Não, creia, fale com esse Deus, fale com Jesus, Ele está vivo e habitará com todos os que O buscarem, dê o primeiro passo…e vocês veram a Glória de Deus!!

  3. Acho que alguém não entendeu a idéia central da ação. Não foi uma forma de desrespeitar uma entidade de determinada religião, mas um ato de protesto contra a falta de critério que a justiça americana tem para aceitar as ações em trâmite. O Estado é laico, o poder judiciário como integrante deste também deve ser, e ser laico não é ser ateu. Transparecer fanatismo é prejudicial em qualquer aspecto da existência, e não é necessário jogar um caminhão cheio de bombas em um posto militar para ser fanático, mas simplesmente fechar os olhos para a ralidade e achar que tudo e todos estão buscando ofender de alguma forma a entidade que você segue.
    Atitude corajosa e muito inteligente de protestar em um país que veio reconhecer direitos civis aos negros há menos de 60 anos e que paga indenizações milionárias a qualquer um que achar que o café da Mac Donald está muito quente.

  4. Nossinhora d’Abadia hein…

    Não sei se é falta de cérebro ou falta de bom senso que atinge um religioso ao ler essa notícia. Até quando viveremos num mundo no qual as pessoas pautam suas vidas reais em um monte de excertos de parábolas, metáforas, poesias, histórias “para boi dormir”?

    Não sou contra religiões, apesar de não ter nenhuma, mas não consigo suportar opiniões estapafúrdias de alguns seres humanos cujos únicos neurônios ativos voltam-se às quimeras do “alice no país das maravilhas”.

    Desculpeme-me os sãos!!!

  5. Foi um meio que ele achou para demonstrar a excessiva litigancia, muitas vezes sem pé nem cabeça, e teve efeitos, pois como esperado o processo ainda está em andamento, o que não deveria acontecer.

  6. Na realidade, o oficial de justiça no caso concreto não quis cumprir a diligência.

  7. É apenas mais um coitado que carece da misericordia e do amor de Deus. O mundo está cheio de gente arrogante, iracundo infeliz…Mas “Ele” está a bater a porta, e todo que buscá-lo, enquanto há tempo, encontrará livramento e felicidade, agora e no porvir.

  8. Inacreditável, como Deus é banalizado, e até usado para fezer críticas ao judiciário, deve existir outras referências mais adequadas, para esse tipo de brincadeira ou crítica. O senador poderia usar o gasparzinho, papai noel ou até mesmo o coelinho da páscoa, mas usar Deus é brincar com a fé dos cristãos

  9. [...] Veja também: O senador que processou Deus [...]

  10. E Gilmar Mendes pode ser processado por um senador americano?

  11. Q ABSURDO !! É FIM DE MUNDO MESMO..

Escreva seu comentário

(não será publicado)

(opcional)