Ir direto ao conteúdo

Página Legal

O cotidiano jurídico com muito bom humor

Por Paulo Gustavo Sampaio Andrade, advogado.

O homem que processou Satanás

23/10/2008 às 22h52min Paulo Gustavopartes

Em 1971, Gerald Mayo, um cidadão da Pensilvânia (Estados Unidos), processou o Demônio e sua equipe. O Capeta seria o criador dos obstáculos que causaram desgraças na vida do autor e de muitas outras pessoas, violando-lhes seus direitos civis.

Nesse processo, o Diabo nem precisou de advogado.

Nesse processo, o Diabo nem precisou de advogado.

Todavia, a ação coletiva foi barrada por motivos meramente processuais.

O autor não cumpriu dois requisitos essenciais para a espécie da ação proposta: não provou ser legítimo representante da imensa classe dos prejudicados pelo Anticristo nem demonstrou que o Excomungado seria um agente do Estado.

A decisão citou um suposto precedente em que o Rabudo, defendido por renomado advogado, teria alegado ser um príncipe estrangeiro, portanto não sujeito à jurisdição norte-americana. O tal precedente, contudo, nunca existiu; o juiz referia-se jocosamente a um conto fictício, que deu origem a um filme sugestivamente chamado “O julgamento do Diabo”.

Ocorre que, de fato, o autor não apresentou prova de que o Exu seria domiciliado na comarca nem forneceu o endereço para a citação do Cão, e isso foi decisivo para a rejeição do pedido.

Teria agido melhor o requerente se, ao preencher a informação sobre a residência do Tinhoso, tivesse mandado o oficial de Justiça ao inferno.

Original disponível para download

(Com informações de: Wikipedia, For Peter’s Sake, Say what?! e Failure Magazine)

Veja também: O senador que processou Deus

Este artigo já recebeu 6 Comentários

  1. Como estudante de direito e como evangélica só posso definir a ação como ridícula rs. O autor deveria se preocupar mais com a sua vida e cuidar dela, ao invés, de colocar a culpa em outro, nesse caso no diabo. Ele existe e age contra a vida das pessoas, mas as questões espirituais se resolvem na esfera espiritual e não na área jurisdicional.

  2. julgamento do diabo

  3. Concordo plenamente com voce Alessandra….sou evangélica e estudante de Direito…O autor deveria se preocupar com os problemas dele e assim procurar soluçoes…agora processar o diabo?Aqui entre nós, não tem cabimento…Sinceramente…ele estava sendo instrumento do próprio demonio…isso sim!!.

  4. Acredito que nem sempre é o diabo que tràs problemas para nossas vidas. Pois na maioria das vezes os problemas vêm, as decepções vêm, a tristeza vem porque não tomamos as decisões corretas.
    Deus nos deu o livre arbítrio e quando tomamos decisões que estão fora do seu plano, com certeza iremos sofrer as consequências.
    Por isso, já está mais do que na hora de culparmos a Deus por nossos erros.

  5. Embora ateu convicto, aumenta a cada dia minha certeza na existêncis do demo. E tem ele o cognome HOMEM!

  6. esse rapz é ignorante a cerca deste assunto, imagine se ele conhece a verdade sobre a predestinação…
    imagine se esse moço conhecesse a verdade sobre o grande projeto do Senhor.

Escreva seu comentário

(não será publicado)

(opcional)