Ir direto ao conteúdo

Página Legal

O cotidiano jurídico com muito bom humor

Por Paulo Gustavo Sampaio Andrade, advogado.

Artigos com o marcador banco

O tarado da fila do banco

31/08/2008 às 20h40min Paulo Gustavopartes

Uma mulher aguardava na fila dos caixas eletrônicos de uma agência do Bradesco, quando um homem encostou-se nas suas nádegas. Após procurar ajuda de funcionários do banco, foi à mesa do gerente. Na fila da gerência, o cidadão se posicionou novamente atrás da mulher, colocou o pênis para fora, encostou-o na vítima, masturbou-se e ejaculou nas roupas dela.

O fato ocorreu em 2001 na cidade satélite de Gama, no Distrito Federal, sendo presenciado por vários clientes, que ajudaram a imobilizar o maníaco, o qual foi preso.

A vítima ajuizou uma ação de indenização contra o banco, requerendo indenização de R$ 90.600,00. No final, o tribunal fixou a reparação em R$ 30.000,00.

Original disponível para download

Escolha o comentário mais infame para a notícia:

  • O cidadão pensou estar num banco de sêmen e tentou fazer um depósito na poupança da cliente.
  • Para protestar contra a demora nas filas do banco, o cidadão resolveu tirar o atraso ali mesmo.
  • A condenação foi injusta, pois o banco não teve culpa em porra nenhuma.
  • A notícia é séria. Melhor não fazer gozação.

(Baseado em notícia do Consultor Jurídico)

Confusão financeira

09/08/2008 às 10h19min Paulo Gustavoadvogados

Consumidor de Brasília (DF) ajuizou ação contra banco, requerendo a apresentação de planilhas demonstrativas dos valores já pagos em decorrência de um contrato.

Na contestação, a instituição financeira apresentou a seguinte desculpa:

“Dinheiro é bem fungível. Não é possível indentificar (sic) onde se encontra e como foi aplicado, eis que se junta a um montante de dinheiro de origens diversas, não sendo possível separá-lo.”

Muito cuidado ao depositar seu dinheiro nesse banco. Quando for sacá-lo, eles podem não encontrá-lo mais…

(Colaboração remetida por Evanna Soares)

Pérolas rurais 2

11/04/2008 às 9h25min Paulo Gustavoperitos

Na década de 70, o Banco do Brasil e o Banco do Nordeste tinham empregados responsáveis pela fiscalização de campo nos setores especializados em financiamentos para agricultura e pecuária. Esses fiscais, esforçados mas nem sempre instruídos, visitavam as fazendas e elaboravam relatórios, emitindo juízos de valor.

Já publicamos aqui algumas das frases curiosas extraídas desses documentos. Seguem mais algumas dessas pérolas rurais:

Pecuária

  • Ao chegar ao local da vistoria, eis que me deparo com o bem apenhado [um touro nelore] vindo em minha direção, bufando e babando. Mais do que depressa, corri e me enfiei em uma valeta, bem escondido. Porém, isso não foi suficiente para conter o ânimo assassino do bem apenhado ao Banco, que se enfiou na valeta também. Por falta de inteligência, no entanto, enfiou primeiro as patas dianteiras e, com a velocidade que vinha, deu uma cambalhota e tombou de costas na valeta. Não permaneci no local para ver o desfecho.
  • O financiado degustou arruela de ferro e grampo de cerca misturado a forragem indo desta para melhor. Foi substituído por outro que apesar de ser cego de um olho e ter sofrido a amputação de um chifre guardava boas características de reprodutor.
  • A vaca comeu salitre do chile (no rancho) pensando que era sal e morreu.
  • Mutuário vem tratando o gado como porco. Não lhe passa um germicida sequer e come tudo no chiqueiro de bodes emprestado.
  • O reprodutor “Marco Polo” e a vaca “Tereza” foram vendidos ao sr. José Airton que está pronto a esclarecer o assunto pela importância de Cr$ 10.000,00.
  • O mutuário vendeu o touro financiado porque o mesmo estava frouxo, trocou-o por um mais potente.
  • O burro novo é bem mais moderno que o contratual, pêlo de rato branco.
  • Nada mais vi a não ser um recibo de bezerros mamando a 200.
  • Sugiro ao banco seqüestrar os animais financiados. [detalhe: os animais já haviam morrido]

Agricultura

  • Cliente faz roçado juntamente com a mulher.
  • [Visitando a lavoura de fumo de uma senhora:] Constatei que sua tabacaria encontra-se seca e impenetrável.
  • Comprovei quatro tarefas de bananas em estado sanitário nos fundos do quintal.
  • A lavoura nada produziu. Mutuário fugiu montado na garantia subsidiária.
  • O trator está mal administrado. Qualquer pé de macaco monta e mete o pau.
  • O trator está todo sujo e quebrado valendo Cr$ 10.000,00. Se fizer um conserto em firma especializada e dando óleo nele pode valer uns 5.

Situação do mutuário

  • Mutuário tem condições para efetuar o mister. É livre e de bons costumes.
  • Desconfio que o mutuário está com intenção de pagar o débito.
  • O mutuário foi para São Paulo para melhorar de vida. Quando voltar vai liquidar com o Banco.
  • O devedor, triste e solitário pelo abandono da mulher, não pode produzir nada. Está vendendo em barraca emprestada, de dia, e, de noite, fazendo coisa boba.
  • Quem vê cara não vê coração. Mutuário muito forte sofrendo dores no pulmão. Vai a uma clínica especializada no mister.
  • Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe. Ele vai terminar sendo executado pelo Banco.
  • É um velho intrangizente, e pouco digno ao mister.
  • O devedor morreu no mês passado, mas a viúva continua com o negócio em atividade.
  • Pediu para eu ficar e depois viajou em seguida… isso pareceu mais uma brincadeira de homens sem responsabilidades.”
  • O mister não foi feito, faltando completar com dinheiro dele, que gastou em farras e comprou um jeep de refugo, com parte.
  • Fui a Capital e vi situação com títulos protestados e devendo muito com uma fazenda boa desta sem querer paga o contrato. Minha opinião é botar em juízo e recuperar tudo nos tribunais.
  • Está havendo uma troca de fazendas dando prejuízo ao Banco com títulos protestados e tudo e ele nem liga.

Parecer do perito

  • Visitei ontem a fazenda de Dona Maria de Lourdes, que continua viçosa e florida.
  • O imóvel está uma boneca. Exemplos como estes devem ser imitados.
  • Curral todo feito a capricho. Bem parecendo um salão de baile a fantasia.
  • Botei os dois para dizer a verdade e vi que tudo não se passava de uma tragédia, aliás comédia.
  • O gerente da agência devia ir ver a pouca vergonha do café estocado no inverno e ter que suspender o cliente.
  • Achei uma coisa horrível o serviço. Tudo realizado ruim.

Frases consolidadas de diversas fontes: José Alberto de Souza (AABNB), Jacir José de Menezes (EPTV), Wanderlino Arruda, Caio Victor, Coriolis e Nababu.

O caixa de retaguarda

08/04/2008 às 8h03min Paulo Gustavojuízes

Sessão ordinária de um tribunal do trabalho.

O recorrente era o empregado de um banco, que reclamava equiparação salarial para recebimento de uma gratificação pelo exercício de função de chefia.

O banco alegava que o cargo desempenhado não teria natureza especial que justificasse o recebimento de gratificação.

A função do empregado era de “caixa de retaguarda”, uma espécie de caixa que não atende diretamente ao público, mas trabalha principalmente no final do expediente, conferindo os demais caixas e abrindo os envelopes com depósitos nos caixas eletrônicos e os malotes de contas empresariais.

Não se evitaram, contudo, os cochichos entre alguns dos que ouviam o relatório:

“Caixa de retaguarda é o mesmo que cafetão de bicha?”

Pérolas rurais

03/02/2008 às 14h39min Paulo Gustavoperitos

O Banco do Brasil possui possuía um departamento chamado “Carteira de Crédito Agrícola”, que tem tinha como uma de suas responsabilidades fiscalizar a utilização dos empréstimos feitos para a agricultura e pecuária.

Esta fiscalização era feita por funcionários do Banco do Brasil, que visitavam as propriedades rurais onde eram utilizados os empréstimos e faziam relatórios técnicos da situação encontrada.

Abaixo, alguns trechos desses relatórios, transcritos exatamente conforme os originais:

Vistoria do imóvel

  • “Fui atendido na fazenda pela mulher do mutuário. Segundo fiquei sabendo, ninguém quer comprá-la e sim explorá-la.”
  • “A euforbiácea foi substituída pela musácea sem o consentimento e autorização de nosso querido banco da carteira precisando de começar tudo de novo e orientar o serviço.”
  • “A casa de farinha nunca foi para frente porque o mutuário que fez o empréstimo deu para tráz e nunca mais se levantou.”
  • “A máquina elétrica financiada é toda manual e velha. Fazendeiro financiou a máquina elétrica mas fez Financiado executou todo o trabalho braçalmente e animalmente.”
  • “Mutuário adquiriu aparelhagem para inseminação artificial mas um dos touros holandeses morreu. Sugerimos treinamento de uma pessoa para tal função.”
  • “Gado está gordo e forte, mas não é o financiado e sim emprestado somente para fins de vistoria. O filho do fazendeiro está passando férias na Disney.”

Condições meteorológicas

  • “Se não fosse o sol, tudo indica que a chuva aumentasse a safra.”
  • “Tempo castigou a região. O sol acabou com a farinha e chuva com feijão.”
  • “A erradicação da plurieuforbiácea carece das condições pluviométricas.”
  • “Sol castigou o mandiocal. Se não fosse esse gigante astro, as safras seriam de acordo com as chuvas que não vieram.”
  • “Cliente aguarda a capilaridade pluviométrica da zona para plantar a mandioca em local macio e úmido efetuar o mister.
  • “Visitamos o açude nos fundos da fazenda e depois de longos e demorados estudos constatamos que o mesmo estava vazio.”

Condições geográficas

  • “Trajeto feito a pé porque não havia animal por perto, só o burro do fazendeiro. Despesa de locomoção grátis.”
  • “Imóvel de difícil acesso. O mato tomou conta de tudo, deixando passagem só para animal rasteiro. Próxima vistoria deve ser feita por fiscal baixinho. Vistoria frustrada.”
  • “Era uma ribanceira tão ribanceada que se estivesse chovendo e eu andasse a cavalo e o cavalo escorregasse, adeus fiscal.”

Parecer do perito

  • “As garantias permanecem em perfeito estado de abandono e conservação. Cliente vive devidamente bêbado e devendo aos bares e a Deus e ao mundo.”
  • “Na minha opinião, acho bom o banco suspender o negócio do cliente para não ter aborrecimentos futuros.”

Considerações finais

  • “‘Cobra’ – comunico que faltei ao expediente do dia 14 em virtude de ter sido mordido pela peçonhenta epigrafada.”
  • “Os anexos seguem em separado.”

Atualização (em 10/04/2008): Alguns trechos foram riscados e/ou substituídos pelas versões mais prováveis dentre as que podem ser encontradas em diversas fontes. As frases acima também incluem algumas colhidas de relatórios dos fiscais orientadores do Departamento Rural do Banco do Nordeste do Brasil.