Ir direto ao conteúdo

Página Legal

O cotidiano jurídico com muito bom humor

Por Paulo Gustavo Sampaio Andrade, advogado.

Artigos com o marcador crime

A experiência do motorista

14/02/2008 às 19h58min Paulo Gustavoadvogados

O promotor de Justiça paraibano Valério Costa Bronzeado narra que, numa audiência criminal que julgava um caso de atropelamento e fuga, o advogado do acusado assim fundamentou sua defesa:

– Meritíssimo, a culpa só pode ser desse pedestre que ficou ferido no atropelamento. Meu constituinte é um motorista experimentado, com carteira há mais de vinte anos sem nunca ter causado um único acidente!

Resposta do advogado de acusação:

– Se experiência é o que conta, nesse caso o meu constituinte não pode ser culpado. Há 50 anos que é pedestre…

Criminosos estúpidos 2

10/02/2008 às 22h16min Paulo Gustavocriminosos

Nos Estados Unidos, uma série de livros iniciada com “America’s Dumbest Criminals”, de Daniel Butler, Alan Ray e Leland Gregory, faz uma enorme coletânea de eventos envolvendo assaltantes incompetentes e crimes frustrados por verdadeira burrice.

  • Um homem, acusado de haver arrombado uma máquina de venda de refrigerantes em lata, jurou inocência e pagou sua fiança de 400 dólares… tudo em moedas.
  • Um distraído chamou a policia para registrar o furto de uma caixa… onde guardava maconha.
  • Em Ohio, um sujeito, depois de assaltar um restaurante, deu um tiro no próprio pé, ao abrir a porta de seu automóvel.
  • Outro sujeito assaltou uma carrocinha de cachorro-quente e resolveu comer um. Acabou tendo que se entregar depois de se engasgar com a salsicha. Acabou hospitalizado.
  • Uma mulher de Maryland falsificou um bilhete de loteria para coincidir com o número premiado em 20 dólares, mas não viu que havia ganho 5.000 dólares com o mesmo bilhete. Acabou presa por falsificação e perdeu o direito ao prêmio.
  • Em Arkansas, um homem parou um carro da polícia para reclamar que havia sido espancado por uma mulher dentro de uma lavanderia. Seu olho roxo e lábio ensangüentado confirmaram a acusação. Só havia um problema: ele não vira o rosto da mulher. Investigando na lavanderia, o policial descobriu que o homem entrou na loja, levantou a camisa e abaixou as calças, exibindo-se para as assustadas senhoras presentes. Uma delas, indignada, espancou-o. Como ele tinha o rosto coberto pela própria camisa, nem viu quem o havia atacado. Resultado: foi preso por exibicionismo…

(Colaboração de Cláudio Rêgo)

A morte da defunta

10/02/2008 às 19h22min Paulo Gustavoestudantes

Questão de avaliação do 2º período da UNIG aplicada pelo professor Ronaldo Lessa, promotor em Itaperuna (RJ):

“Gertrudes, mulher violenta e geniosa, recebe notícia dando conta de que Carmelita, sua antiga desafeta, teria morrido e estaria à espera de sepultamento, no único cemitério da cidade.

Tomada de gáudio, Gertrudes resolve ir ver a finada, enquanto a família não chega para velá-la.

Na capela, encontra Carmelita dentro do caixão, já devidamente ornamentado.

O caixão de Carmelita
O caixão de Carmelita
Uma cólera assola Gertrudes, que se apossa da borboleta de vedação da urna funerária, para com ela golpear seguidas vezes a desafeta.

Para sua surpresa, Gertrudes ouve um gemido, oriundo de Carmelita.

Apavorada, resolve pedir ajuda, quando, então, o médico intensivista Chifroklênides, que estava na capela ao lado velando um amigo, vem em socorro, examinando Carmelita e constatando que, em verdade, a mesma estava sob estado de catalepsia (funções vitais reduzidas ao mínimo indispensável à manutenção do organismo, o bastante para permitir equivocado diagnóstico letal), portanto, viva, tendo, lamentavelmente, morrido em função dos golpes que llhe infligira Gertrudes.

Neste momento chega a família de Carmelita, chama a polícia, que prende Gertrudes.

Indaga-se: cometeu ela algum crime? Em caso positivo, qual? Como ficará sua situação jurídico-penal? (valor: 4 pontos)”

Resposta dada por um sapientíssimo aluno:

“A pobre coitada da Gertrudes não responderia por crime algum, pois borboleta não mata ninguém.”

(Foto: www.petbp.co.uk)

Inquérito policial à francesa

10/02/2008 às 18h06min Paulo Gustavodelegacias

Frases extraídas de boletins de ocorrência e relatórios da Polícia da França:

  • “Pudemos constatar que nada consta.”
  • “Suas explicações estavam tão confusas que tivemos que soltá-lo por falta de provas que nos fizessem entender suas explicações.”
  • “O indivíduo, que era tão surdo quanto sua esposa, parecia não se entender muito bem com ela.”
  • “O elemento, negando toda culpa, foi preso. O suspeito então decidiu fazer uma confissão completa para nos provar que ele não tinha nada a ver neste caso.”
  • “O homem declarou que efetivamente bateu seu adversário com a manivela mas tomando todo o cuidado de não machucá-lo.”
  • “O elemento tentou esconder a arma na sua bota, mas por infelicidade dele, tratava-se de uma espingarda cujo tamanho ultrapassava.”
  • “O buraco da bala era tão grande que pudemos enfiar dois dedos.”
  • “O indivíduo insistiu em nos apresentar seu prejuízo, que de fato não media mais do que dez centímetros.”
  • “Se a chamada não teve resposta, é que ela foi feita na sexta-feira de manhã, quando o investigador de plantão tinha acabado de deitar-se como faz todos os dias à mesma hora.”
  • “Preso pelos policiais, o ladrão os ameaçou de chamar a polícia.”
  • “É de se observar que os dois veículos colidiram um com o outro exatamente no mesmo dia.”
  • “Apesar do teor alcoólico de 3,8, o motorista havia mantido toda sua lucidez ao atropelar o animal.”
  • “O cadáver não parecia de posse de todas suas faculdades.”
  • “Um violento golpe de martelo o havia mantido pregado na cama por dois dias.”
  • “O enforcado morreu por afogamento.”
  • “Como ele devia ser internado o mais rapidamente possível num asilo de loucos, ele foi levado à delegacia.”

(Fonte: Roger Chadel)

Criminosos estúpidos

08/02/2008 às 22h08min Paulo Gustavocriminosos

Nos Estados Unidos, muitas vezes a atividade investigatória da polícia termina enormemente facilitada pela estupidez dos próprios criminosos.

  • Na Carolina do Sul, um homem entrou numa delegacia, colocou um papelote de cocaína no balcão, reclamou que o produto estava com granulação irregular e pediu ao delegado para prender imediatamente a pessoa que a vendeu.
  • Em Virgínia, dois homens num caminhão entraram numa casa deserta para roubar uma geladeira, subindo escadas, muros e obstáculos. Conseguiram pegar a geladeira, fizeram o percurso de volta e colocaram-na em cima do caminhão. Só que o caminhão não saiu do lugar, por causa do peso da geladeira. Então, os ladrões refizeram o percurso de volta (subindo escadas, muros e obstáculos), colocaram a geladeira de volta no lugar onde estava e voltaram ao caminhão. Só então perceberam que esqueceram as chaves dentro do caminhão. Abandonaram o carro e foram embora.
  • Em Kentucky, dois homens tentaram arrombar um caixa eletrônico amarrando a ponta de uma corrente no aparelho e a outra ponta no pára-choques do caminhão deles. Quando aceleraram o caminhão, o pára-choques traseiro se soltou. Assustados, saíram em disparada. Deixaram tudo como estava: o caixa amarrado à corrente, a corrente amarrada ao pára-choques e a placa do caminhão grudada no pára-choques.
  • Um assaltante entrou numa farmácia, sacou uma arma, anunciou um assalto e, quando foi colocar uma máscara de meia no rosto, percebeu que tinha esquecido de cortar os buracos dos olhos.
  • Um ladrão conseguiu entrar à noite num banco, pela janela do segundo andar, mas se feriu gravemente, perdendo muito sangue. Então ele percebeu que: não poderia chegar até o cofre de onde estava, não poderia voltar pelo caminho pelo qual entrou e estava tendo uma hemorragia gravíssima. Então pegou um telefone e ligou para o pronto-socorro para pedir ajuda.

(Fonte: Mr. Learned’s Legal Humor Page – sem link porque já saiu do ar)